Por que o apelido do Edson França é conterrâneo?

Hoje veio contar uma curiosidade que apareceu de maneira inusitada. Almoçando em Itu, conheci Edson Conterrâneo, nada mais nada menos, que um lutador de vale-tudo e MMA que tem histórias incríveis nas lutas.

Cumprimentando todos da mesa como “Conterrâneo” não resisti e perguntei o porquê desse apelido. E aqui relevo para vocês: é devido ele não lembrar os nomes das pessoas rsrs, isso mesmo! Para não passar aperto em não recordar ele fala “E aí conterrâneo…” e assim ele ficou conhecido na cidade de Itu e mundo a fora.

Hoje trabalhando numa construtora na cidade em que vive, treinando nas horas vagas, ele faz das lutas um hobby. Conterrâneo fugiu do pai alcoólatra que o espancava em Garanhuns (PE) e foi morar nas ruas de Itu, no interior paulista, dos 10 aos 16 anos. Na cidade, arrumou um bico como ajudante de pedreiro e começou a praticar kickboxing. Casado, com dois filhos. Ama o esporte mais que tudo.

img_0495

Eu e o Conterrâneo – olha o tamanho da figura 😀

 

Deixo aqui o link dos números de Conterrâneo: http://www.sherdog.com/fighter/Edson-Franca-23419

Na revista Época tem uma reportagem muito legal sobre os atletas anônimos das lutas e Conterrâneo deixa sua opinião sobre o assunto. http://revistaepoca.globo.com/vida/noticia/2012/03/o-duro-caminho-da-gloria.html

 

Por que o torneio de Wimbledon os tenistas usam roupa branca?

Wimbledon-logo

Quem é fã de Tênis sabe que o torneio mais clássico e mais antigo dos quatro Grand Slams (Open da Austrália, Roland-Garros; Wimbledon e US Open).

Mas para responder a esse porque vamos voltar um pouco na história. A cor branca é associada ao tênis há muito tempo, pois a cor não aparenta o suor, uma vez que o esporte exige muito do atleta e a transpiração é inevitável, por isso a escolha da cor, pois é um esporte sofisticado.
Para explicar mais detalhado vale a pena ler um trecho sobre o assunto Escrito por Carolyn Williams | Traduzido por Cesar Duarte:

O tênis é um esporte que tem sido jogado através dos séculos. Inicialmente criado como um jogo de bola com as mãos para monges, no qual eles usavam os hábitos completos da sua ordem, quando o tênis se integrou à sociedade, homens e mulheres passaram a praticá-lo. Os homens usavam trajes da moda da época, incluindo calças compridas, gravatas e sapatos com solas macias. Até 1946, era requerido aos homens o uso de calça comprida no torneio de Wimbledon. Nos anos de 1860, a moda das mulheres incluía pele de animais, arranjos de penas e saias compridas. O vestuário era composto por tecidos pesados, tais como sarja e lã. As roupas femininas só sofreram ajustes após os anos 30, subindo acima do joelho e suprimindo as peles e penas. Conforme a moda evoluiu, o mesmo aconteceu com a escolha da cor. O branco sempre foi associado com o jogo de tênis. E a razão é simples – suor. O branco não mostra o suor tão facilmente quanto as outras cores, tornando-a ideal para um esporte relativamente sofisticado. Hoje em dia, tecidos tecnologicamente desenvolvidos ajudam a evaporar a transpiração, fazendo com que a escolha de cores pelos tenistas seja mais variada. Além disso, as roupas são significativamente mais reveladoras do que as calças e vestidos compridos.

Como Wimbledon é um torneio clássico cheio de tradição, a competição é a única que exige o vestuário branco dos tenistas nas quadras.

Sendo uma decisão muito polemicas entres os tenistas, e com muitas histórias de jogadores “rebeldes” quebrando regras e aparecendo com algum item de cor.

Regras de indumentária nos treinos e partidas de Wimbledon:

1 – Os tenistas devem estar vestidos com vestuário apropriado para ténis que seja quase inteiramente branco. E isso aplica-se desde o momento em que o jogador entra em campo.
2 – Branco não inclui bege.
3 – Uma única variação de cor ao redor do pescoço e em torno do punho é aceitável, mas não deve ser mais larga do que 1 cm.
4 – Cores dentro dos padrões serão medidas como se fossem uma coloração sólida e devem estar dentro do limite de 1 cm. Logos formados por variações de material ou padrão de cores não são aceites.
5 – A parte detrás de uma camiseta, vestido ou top deve ser totalmente branca.
6 – Calções, saias e vestimentas devem ser totalmente brancas a não ser por uma parte da costura externa não mais larga do que 1cm.
7 – Bonés, faixas na cabeça, punhos e meias devem ser totalmente brancos exceto numa parte que não seja mais larga que 1 cm.
8 – Os sapatos devem ser inteiramente brancos, incluindo as solas. Logos grandes de patrocinadores não são desejáveis.
9 – Qualquer roupa visível durante o jogo, também deve ser completamente branca exceto por uma única faixa de cor não maior que 1cm.
10 – Suportes e equipamentos médicos devem ser brancos, se possível, mas podem ser coloridos se necessário. (fonte: Sapo Desporto)

Não é só a cor branca dos uniformes dos tenistas que chamam atenção da competição inglesa de tênis, o torneio tem outras peculiaridades, como:

  • A quadra é de grama, manteio a superfície original do torneio;
  • Não é permitido qualquer tipo de propaganda ou patrocinador durante a competição;
  • Morangos e Chantili são comidas típicas do torneio, sendo oferecidas para os competidores e torcedores. Tradição que começou em 1877 e fez os morangos e o tênis se tornar símbolo da chegada do verão para os ingleses;
  • Os tenistas da competição são sempre referidos como Mr e Miss, independente do seu estado civil;

Wimbledon-morango

Mais curiosidades, indico o site: http://www.dnaindia.com/sport/report-10-things-you-should-know-about-wimbledon-and-its-traditions-1853348 (versão em português: http://molhoingles.com/wimbledon/).

Fontes:
Como a roupa dos tenistas mudou com o tempo:
http://www.ehow.com.br/roupa-tenistas-mudou-sobre_89294/

Curiosidades de Wimbledon
http://molhoingles.com/wimbledon/
http://www.dnaindia.com/sport/report-10-things-you-should-know-about-wimbledon-and-its-traditions-1853348

Sapo Desporto:
http://desporto.sapo.pt/mais_modalidades/tenis/artigo/2015/06/29/as-rigidas-regras-do-torneio-de-wimbledon

Por que futebol de Várzea?

7181642688_10cb07e3f9_z

Todos, ou a maioria sabem que o futebol de várzea é o futebol dos jogadores amadores, mas para saber a origem deste temo é preciso voltar aos anos em que o futebol foi iniciado em São Paulo, onde tudo começou…

Para ajudar nesta explicação me baseei no livro “Visão de Jogo – Primórdios do futebol no Brasil” de José Moraes dos Santos Neto. Então vamos a história…

Nos anos de 1900 a cidade de São Paulo já tinha consolidado 5 times da elite: São Paulo Atletic Club, Associação Atlética Mackenzie College, Sport Club Germania, Sport Club Internacional e Clube Atlético Paulistano. Mas também tinham os times “populares” formados por jovens trabalhadores italianos, alemães e portugueses, esses que haviam chegados à São Paulo na época do Império para trabalho escravo ou até mesmo livre.

O futebol começou a cair nas graças da população e se espalhava em várias áreas da cidade. Cada um começou a montar um local para praticar o esporte. Mas o futebol da população menos favorecida praticava a modalidade no Belém, no prado da Mooca, no Cambuci e na várzea do Carmo. Mas era no Carmo que havia as alternâncias da pratica do futebol de elite e populares.

Várzea do Carmo

Ao fundo, vista da várzea do Carmo. No início do séc XX, times da elite e populares alternavam-se. Com a separação entre o futebol de elite e o popular, ocorrida por volta de 1905, os times da elite criaram seus próprios campos, e o futebol popular ficou conhecido como “varzeano” (*fonte).

Mas os dirigentes do Clube Atlético Paulistano promoveram em conjunto com a Prefeitura municipal e transformaram o Velodromo existente na cidade em campo de futebol, deixando o campo da várzea do Carmo apenas para os times populares. Assim surgia o termo “varzeano”.

Em 10 anos, o futebol dos “varzeanos” foram ganhando times e força na cidade. A medida que a competitividade do futebol de “várzea” crescia os times populares começaram a ganhar espaço no futebol oficial. Um fato que marca essa força é no ano de 1912, onde a Liga teve que aceitar a afiliação do Ipiranga Futebol Club, uma equipe vinda da várzea.

varzea2

Esse é o retrato perfeito do futebol de várzea, segundo os cinco times da elite paulistana (*fonte).

Caso queira saber mais detalhe desta história e até mesmo os primórdios do futebol, recomendo o livro, onde conta toda a história baseada em fotos e pesquisas bem fundamentada.

Livro Visão do Jogo

Livro Visão do Jogo

Caso queira adquirir o livro, na Cultura tem a venda:
http://www.livrariacultura.com.br/p/visao-do-jogo-622567?id_link=200021781

Fonte:

Livro: Visão de Jogo – Primórdios do futebol no Brasil. José Moraes dos Santos Neto (*fotos retirados do livro)

http://www.ludopedio.com.br/rc/index.php/arquibancada/artigo/1184

Por que no 1º dia do ano tem rodada da Premier League?

Premier League
Na sexta (26/12) passada estava trabalhando e o meu celular mandado notificações de jogos do campeonato inglês. Achei que estava doido e deixei de lado. Mais hoje, 1º de janeiro, procurado algo para ver, me deparo com jogos ao vivo da Premier League, como assim?!?!

Confesso que comecei acompanhar mais de perto o futebol inglês no ano passado, por isso minha surpresa em relação a jogos nessas datas de festivas de feriado… até porque jogos depois do Natal e no 1º dia do ano é uma tradição de muitos anos na Inglaterra. E será essa o primeiro PORQUÊ de 2015.

A tradição tem histórias, conhecida atualmente como “Boxing Day”. A data (26/12 ou próximo dia útil após o Natal) é comemorada desde a Idade Média na Inglaterra, onde o dia é também conhecido como St. Stephens Day, em referência a um dos primeiros mártires cristãos, que morreu apedrejado em Jerusalém entre os anos 34 e 35 depois de Cristo

A origem do nome vem das caixas (box, em inglês) que durante a época de Natal eram colocadas nas igrejas para recolher dinheiro para os pobres. Essas caixas eram abertas no dia de Natal e o valor arrecadado eram distribuídos no dia seguinte, 26, o Boxing Day (o dia das prendas), num costume enraizado na Inglaterra, no País de Gales e em algumas regiões do Canadá, e que também se estendia às casas mais abastadas, onde, nesse mesmo dia, as famílias ricas da sociedade ofereciam prendas aos seus criados.

Mas só em finais do Séc. XIX este dia passou também a ser preenchido por manifestações desportivas…

Com falta de dinheiro para práticas dos esportes de elite (Caça e a Equitação) a sociedade inglesa começou a gostar mais do esporte que havia surgido no mundo universitário o football. Na história, surgem já registos datados de 1888, pouco depois de iniciar-se a Taça de Inglaterra, de jogos incluídos no mítico “Boxing Day”. Em 26 de Dezembro de 1886, o Bolton venceu o Derby Conty por 3-2 e o West Brown o Preston por 5-0. Até 1959, o campeonato inglês inclui mesmo jogos no dia 25 de dezembro, algo que se manteve na Escócia até 1976. Mas, desde essa data, passou-se para dia 26.

Chegando o Natal e o Ano Novo, todos anseiam pelos grandes jogos que colocam frente a frente os diferentes bairros, cidades e regiões que marcaram o século do futebol inglês. Para eles o futebol é a sua religião. Ninguém é capaz de imaginar estes dias sem esses grandes jogos.

Existem inúmeras manifestações de atletas e técnicos de futebol em relação a não parada do campeonato inglês no final de ano, com a alegação de ser algo muito desgastante devido às festas e até mesmo a possibilidade de ter jogos muitos próximos sem um descanso adequado, mas dificilmente a tradição deixará de ser o que é, porque os ingleses não abdicam facilmente da memória e depois os jogos de “Boxing Day” bate todos os recordes de audiência televisiva.

Fontes:

http://www.dn.pt/inicio/interior.aspx?content_id=1138112

http://m.oglobo.globo.com/blogs/planetaquerola/posts/2014/12/25/rodada-do-boxing-day-tem-107-partidas-na-inglaterra-557603.asp

http://www.planetadofutebol.com/artigos/o-fantastico-mundo-do-boxing-day

Por que os brasileiros consideram Charles Miller o pai do futebol?

Charles Miller

Olha esse porquê garanto que é surpreendente… e descobri por um acaso.

Em busca de novas leituras futebolísticas achei um livro que conta uma versão diferente da origem do futebol no Brasil.

Por mais improvável que seja, jamais imaginaria que o futebol estava presentes no cotidiano paulista antes de Charles Muller chegar no Brasil.

É isso mesmo!!!! segundo José Moraes dos Santos Neto, o futebol já estava no currículo escolar dos colégios geridos por jesuítas desde da primeira metade da década de 1880… no livro “Visão do jogo primórdios do futebol no Brasil” ele explica essa história…

Resumindo…

Ele nos conta que o futebol era praticada nos moldes de atividade física e que foram os ex-alunos que divulgaram país à fora a prática.

Essa prática do futebol, tem influência europeias, devido a necessidade de uma modalidade que se enquadrasse as recomendações do deputado Rui Barbosa. Com isso, os melhores colégios foram a Europa em busca dessa nova atividade, e encontraram o futebol.

Charles entra na história, trazendo bolas, chuteira, uniforme e regras do que aprendeu na Inglaterra “association football”, para mostrar e ensinar o futebol mais próximo do que conhecemos hoje.

Ele é chamado o “pai” do futebol no Brasil devido influenciar a criação de clubes de futebol e as futuras federações. Não só isso, Miller também foi um grande percursor em difundir essa modalidade na elite…

É isso, pra saber em detalhe essa história e um pouco mais de sua origem, super recomendo esse estudo, digno de leitura e grande apreciação… além de trazer imagens para provar essa descoberta, adorei 🙂

livro Visão do Jogo 

Título: Visão do jogo. Primórdios do futebol no Brasil

Autor: José Moraes dos Santos Neto

Números de páginas: 118

Editora: Cosac & Naify

 

Hasta luego 😊

 

Fontes:

Livro: Visão do jogo. Primórdios do futebol no Brasil

http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/jornalPDF/202pag09.pdf