Por que o GALO é a mascote do Atlético Mineiro (CAM)?

Tudo começou em 1935, época em que as rinhas de galo estava em febre na capital mineira, tinha um Galo carijó imbatível nessas rinhas em BH sendo comparado ao time do Atlético Mineiro.

Mas a mascote só caiu de vez nas graças da torcida quando o chagista Fernando Pieruccetti, O “Mangabeiras” do jornal “A Folha de Minas” recebeu a missão de dar a cada clube mineiro um mascote. Algumas pessoas queriam que um pequeno índio fosse a mascote, porém ele preferiu o Galo, justificando:

“O Atlético sempre foi um time de raça. Mais parece um galo de briga, que nunca se entrega e luta até morrer!”

Outras comparações do animal Galo ao time do Atlético ainda em 1932:

“O Galo não aceita desaforo de ninguém, o Atlético também não!”

 “Os dois (o galo e o Atlético) são valentes e vencedores!”

“Esse Galo é igual ao time do Atlético!”

Mangabeiras foi o criador, mas o maior divulgador do Galo foi o lendário jogador Zé do Monte, que defendeu o Atlético nos anos 50. Nos tempos que jogou no Galo, Zé do Monte sempre entrava em campo com um Galo Carijó! E com o pentacampeonato de 51/52/53/54/55 o grito de “Galo! “passou definitivamente ecoar nos estádios onde o Galo jogava.

Imagem do chargista:

O Galo de Mangabeiras - fonte: http://webgalo.comze.com/galo.php

O Galo de Mangabeiras – fonte: http://webgalo.comze.com/galo.php

OUTRA CURIOSIDADE:

Em 1976, o Atlético foi o primeiro clube no mundo a utilizar torcedores infantis como mascotes, com centenas de crianças entrando com a equipe em campo antes dos jogos.

Fontes: